4. Como chegamos ao Canadá (Parte 1: nosso processo de imigração)

by 9:03 PM 6 comments

Chegamos ao Canadá após o processamento do nosso pedido de imigração legal e residência permanente no país junto ao Citizenship and Immigration Canada (órgão do governo federal canadense que cuida de assuntos sobre imigração e cidadania).

A decisão de ir embora do Brasil foi tomada em meados de 2012, como consequência de situações que transformaram-se numa bola de neve e que podem ser resumidas em poucas frases: eu perdi a motivação. Ou simplesmente perdi a fé no meu país.

A Thaisa, por sua vez, viajou ao exterior pela primeira vez no final de 2010 e passou a me acompanhar nas minhas viagens sempre que possível. Trazia consigo o sonho de viver no exterior e desejava muito dominar o inglês, algo que não pôde realizar vivendo no Brasil. Um belo dia, diante das minhas reclamações, ela simplesmente disse:

- Por que você não para de reclamar e faz alguma coisa para irmos embora daqui?

Começamos então a pesquisar possibilidades de imigração. Desde o começo, queríamos nos mudar para um país que nos recebesse com um direito de residência permanente. Não queríamos viver com medo de uma deportação e penso que seria ridículo, com minhas qualificações, viver fora de status em outro país. Também não desejávamos viver como migrantes temporários, inclusive como estudantes, sem condições de fincar raízes e sempre com a sombra de uma possível volta ao Brasil no horizonte. Pela experiência de outras pessoas, sei que quem vive por alguns anos em um país desenvolvido e volta enfrenta dificuldades de readaptação. O romantismo de um reencontro feliz pode representar apenas uma utopia meio ufanista... e foi essa a razão que me afastou de um pós-doutorado sanduíche onde eu passaria alguns meses pesquisando fora do Brasil e depois retornaria. Esse cenário deprimente, relatado por tantos doutores e pesquisadores e muito relacionado com o fenômeno da evasão de cérebros que ocorre no nosso país, não era para mim. Ir embora, para mim, seria pela porta da frente e de vez.

Os Estados Unidos e a Inglaterra, portanto, foram descartados pelas dificuldades de imigração. Restaram alguns países com programas oficiais de imigração abertos: Dinamarca, Austrália, Nova Zelândia e Canadá. A Dinamarca e a Nova Zelândia não me garantiriam um visto de residência permanente de cara: eu teria um ano para conseguir um emprego. A Austrália não tinha nenhum programa adequado às minhas qualificações. Já o Canadá possui a categoria Federal Self-Employed Persons Program, voltada especialmente para artistas e esportistas. Com o valioso apoio da consultora Maria João Guimarães, essa foi a nossa escolha. Acabamos nos envolvendo com a ideia e com o Canadá, que passou a ser o centro de nossas vidas.

Tudo que experimentamos naquele período, bem como informações detalhadas sobre o nosso processo e a nossa categoria de imigração, está relatado no blog Canadá Self-Employed, que mantemos desde 2013. Até o momento da nossa chegada definitiva a Ottawa preservamos nossas identidades usando os pseudônimos "Alex" e "Isa", mas todas as etapas do nosso processo estão relatadas em detalhes por lá. Também quisemos, fazendo esse blog, ajudar outras pessoas que desejassem emigrar para o Canadá através da mesma categoria. Como ela recebe poucas inscrições perto da Federal Skilled Worker, há muito poucas informações em língua portuguesa. Quisemos preencher essa lacuna.

Da decisão de ir embora até o recebimento dos vistos de imigrante, passaram-se dois longos anos em que tivemos inclusive a oportunidade de visitar o Canadá por duas vezes para ter a certeza de que queríamos mesmo levar adiante essa aventura e posteriormente para escolher a cidade onde iríamos viver. Por mais que o processo tenha sido demorado - o trâmite propriamente dito junto ao CIC durou um ano e meio - e em alguns momentos angustiante, pudemos nos preparar e "namorar" bem o país.

Muito bem! Nossos passaportes com os vistos de imigrante chegaram às nossas mãos em 18 de agosto de 2014, e a partir daí uma nova etapa se iniciou: a preparação da nossa mudança! Essa sim longa, caótica e desordenada! É o assunto do nosso próximo vídeo e da nossa próxima postagem!

Aproveitamos para pedir desculpas pela demora em trazer novidades mas a mudança para o apartamento definitivo, os primeiros dias sem internet residencial e o trabalho voluntário que realizamos no Ottawa International Children's Festival nos deixou sem tempo e energia para preparar vídeos ou postagens! Mas agora estamos de volta e temos muito para mostrar a você! Este é o Vida Que Segue e você segue com a gente! Até a próxima!

Vida Que Segue - Canada

Developer

Gratidão por sua visita! aqui você sempre será muito benvindo(a)!

6 comments:

  1. Excelente post!!! Sem dúvida um guia muito interessante pra quem quer aplicar, ainda mais sendo pelo Self Employed!!!
    Grande abraço!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Antonio, estamos esperando por você aqui no Canadá! E o povo de Ottawa está perguntando sobre o Cão Maluco... eles acham que será um bom caçador de esquilos, coelhos, ratos almiscarados e outros roedores que adoram destruir os jardins e telhados das casas!

      Delete
  2. Estou adorando o blog de vocês e a forma como escrevem!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Muito obrigado! E venha sempre seguir com a gente! Um abraço!

      Delete
  3. Olá casal! Venho acompanhando os vídeos de vocês no YouTube e acho muito legal a sinceridade com que abordam a realidade. Percebo que vocês são um dos únicos canais que foram pela categoria de self-employed... Ou apenas achar outros seja difícil mesmo, tanto em inglês quanto português. Eu tenho muito interesse em aprender mais sobre essa categoria. No site do CIC o tempo de processamento desta categoria aponta 8,75 anos!! Coisa de louco! Mas percebi que o de vocês levou 2 anos. Vocês poderiam contar sua experiência nisso? Se tipo, a consultoria ajudou muito no aceleramento do processo, ou o porque vocês terem tido um processo até que rápido. Agradeço muito! Sucesso aí!

    ReplyDelete
  4. Gostaria de saber se tenho que ter uma faculdade de músico para comprovar que toco flauta?

    ReplyDelete